sexta-feira, 2 de abril de 2021

AS QUADRAS

A quadra é a expressão máxima da poesia ou da versalhada. 

Tanto faz!

Parece fácil! Mas...

A quadra cuja simplicidade deu na forma mais primitiva utilizada pelos cantadores ao desafio nas suas intermináveis disputas (putas) apresenta-se no entanto como a forma mais dificil dessa expressão.

Já o Delfim dos Arcos explicava que em quatro versos se tinha que dizer tudo. Os dois primeiros a defender da arremetida do oponente e os dois últimos ao ataque.

Depois, embora pareça uma forma menor, tem que se levar em conta que não há autor afamado que não tenha escrito a sua quadrazinha.

Augusto Gil

Não há nunca amor perfeito                                                                     sem tortura e sem cuidado                                                                     Amar é ter Deus no Peito.                                                                             Outra vez Cruxificado

João Verde

Teus olhos enfeitiçados                                                                             cruzaram o meu caminho                                                                                se não vou de olhos fechados                                                                  quase ficava ceguinho

E a quem considerar a quadra como recurso menor dos poetas sempre lhes indicarei que o texto mais citado em português é precisamente uma quadra. 

Não há lançamento de livro ou encontro de poesia que não venha...

O Poeta é um fingidor                                                                                  Finge constantemente                                                                   chega a fingir que é dor                                                                            a dor que deveras sente

Ora sintetizar, desta forma, uma ideia só aos eleitos como Fernando Pessoa

Mas há outro que com Pessoa, ombreia. António Aleixo.

Sei que pareço um ladrão                                                                        mas há muitos que eu conheço                                                                          que não parecendo o que são                                                                            são aquilo que eu pareço

Depois há o povo. Aquele povo que ninguém conhece mas a que todos pertencemos. E vou contar uma história dos tempos do Estado Novo.

Quando em 1958 o Xá da Pérsia se divorciou da Soraya por esta não lhe dar um filho varão abriu caminho a um outro casamento desta vez com uma tal Farah Diba em 1959.

E a coisa resultou. Muito por conta dos jardins dos palácios de Persépolis, dizem. E logo em 1960 nasceu Reza Cyrus Pahlavi. 

E quem ficou com os maiores créditos foi precisamente o Xá uma vez que tinha conseguido um piças a quem deixar o império.

E o júbilo foi tanto que para além das grandiosas festividades em honra do acontecimento, o Xá ordenou o alívio nos impostos a todos os desgraçados persas.

Nós por cá não tínhamos Xá! 

- Embora também tivessemos um império, só tinhamos o Salazar e ainda por cima  misógino.

E logo o POVO, esse grande Poeta, recorreu àquilo que está no  mais íntimo do seu anónimo saber.


Se a Piça do Xá da Pérsia                                              Os impostos fez baixar                                                Maldita seja a inércia                                                      Da Piça do Salazar


Nem a censura então, conseguiu travar tal verve. 

Assim como hoje. 

Espero!

tone do Moleiro novo



Sem comentários:

Publicar um comentário