quarta-feira, 3 de Novembro de 2010

O RAPAZ DA CAMISOLA VERDE

Poema e título de um livro de Pedro Homem de Mello


Viste-o encostado àquela coluna. Não vestia uma camisola verde. Tinha uma madeixa negra mas não usava boina. De marujo só os olhos.

- Se eram azuis, porque eram tristes?
- Procurariam coisas inatingíveis?

O Amor?
A Alegria?
A Felicidade?

                                                A Partilha?

No entanto o perto era longe pela solidão do um. No entanto o longe era perto pela percepção do outro.
A distância não a seria senão e apenas a de meia dúzia de passos. Bastava um gesto. O atrevimento de uma palavra. Mas apenas o olhar, só o olhar. Do lado de lá o esmagamento pelo espanto perante aquele instante a estourar de beleza. Intensidade quase insuportável. O peso da imagem vergava o olhar. Este levantava-se por intervalos medidos em relâmpagos.
Depois a viagem. Curta.
Depois não houve depois.
Depois e desde então, no entanto, não chegou a perder-se aquele que só tu puderas ter salvado. Não!
Mas também nunca mais se encontrou.
Até àquele dia. E que dia!
Até àquela noite. E que noite!

1 comentário: