quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

TÚNEL DO MARÃO

Não conheço o Senhor Paulo Alexandre Rodrigues!

Pelo que vou comentar o facto. Não a pessoa.

No abstracto sempre direi que sempre haverá alguém para justificar o injustificável. Mesmo que o injustificável seja isso mesmo!

Há pouco tempo veio a lume uma notícia sobre a indignação, para os lados de Vila Real, com a mudança do centro de vigilância do Túnel do Marão para Almada!

Logo no Espaço do Leitor barra Opinião do JN de 24 de Dezembro aparece este comentário e em destaque:

"Qual o problema? As tecnologias permitem agir com a mesma eficácia a 5 km do local ou a 500 km."


 

Pode ser que assim seja, o que eu duvido mas nem sequer discuto!

A questão que eu coloco é porque não, então e segundo o mesmo princípio,  mudar o centro de vigilância do Túnel do Marquês para Vila Real?

Qual seria então o comentário dos comentadores?

Nunca saberemos pois esta situação nunca se verificará!

Tone do Moleiro Novo

domingo, 18 de dezembro de 2016

Um bom Natal e faça de conta que é meu amigo!

Um bom Natal e faça de conta que é meu amigo!

Esta não é minha. Ouvi-a ontem do Senhor Paulino, afinador de concertinas.

Da sabedoria também!
                                                                                                                                                                                                                                                         Tone do Moleiro Novo                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                              

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Virgílio Hipólito Correia

Não conheço o Senhor.

Apenas que é (ou foi) Director do Museu Monográfico de Conimbriga com o curriculum que consegui na NET

http://www.ipt.pt/download/cph/forum_cph1/01_VHCorreia.pdf

Síntese Curricular
Virgílio Nuno Hipólito Correia
Director do Museu Monográfico de Conimbriga;
Professor Afiliado da Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

Formação académica
• Licenciado em História, variante de Arqueologia, pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto (1984)
• Mestre em Arqueologia, pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto (1993).
• Doutor em História, especialidade de Arqueologia pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (2011). ~

Percurso profissional
• Professor do ensino secundário (1984-1987)
• Técnico Superior do Serviço Regional de arqueologia da Zona Sul, dependente do Instituto Português do Património Cultural (1987-1990)
• Técnico superior do Museu Monográfico de Conimbriga (1990-1996)
• Assistente Convidado da Universidade Aberta (1996-1998)
• Técnico superior do Museu Monográfico de Conimbriga (1998-1999)

Actividade científica 
• Colaborador ou responsável de vários projectos de investigação e valorização patrimonial no Alentejo.
• Desde 1990 responsável pela condução da investigação arqueológica em Conimbriga, na sua qualidade de arqueólogo do Museu, em projectos de responsabilidade individual ou em colaboração com outras instituições.
• Co-autor dos volumes de Normas de Inventário de Arqueologia editadas pelo IMC.
• Responsável pela participação de Conimbriga em vários projectos europeus no âmbito dos programas Cultura 2000 e Leonardo da Vinci.
• Fundador da Associação Profissional de Arqueólogos, de que foi Presidente da Direcção, sócio de algumas sociedades científicas nacionais e membro do conselho científico ou redactorial de várias revistas portuguesas e espanholas.
• Autor de cerca de uma centena de trabalhos científicos sobre arqueologia e gestão de património, publicados como monografias e em revistas e actas de congressos nacionais e estrangeiros.

Também chegou ao meu conhecimento um escrito seu nos 


"Roteiros da Arqueologia Portuguesa"     

- COLA Circuito Arqueológico - CORREIA, Virgílio Hipólito. IPPAR - 2002.

“(…) Deve-se a Abel Viana a primeira escavação do Castro da Cola. Ao longo de muitos anos, e em condições 
que se sabe terem sido de uma extraordinária dificuldade e de grande sacrifício pessoal, este investigador, notável pela sua compreensão da realidade humana em que trabalhava – como bem revelam as suas incursões no domínio da etnografia - , escavou o castro e vários monumentos ao redor, que sucessivamente publicou, secundado por nomes que são hoje referência para todos os arqueólogos portugueses, como Hermanfrid Schubart ou Octávio da Veiga Ferreira. As publicações destacam-se pela precisão do inventário das peças, pecando, infelizmente, pelo rudimentar da sua análise. Abel Viana talvez não tenha escrito uma dúzia de páginas duradouras, mas é notável o seu papel na arqueologia do Sul de Portugal da época, que, sem ele, se não distinguiria de um deserto. Para além disso, deixou marca indelével nas populações locais e em todos os arqueólogos que com ele trabalharam. A sua memória é recordada por uma lápide junto ao castro. (…)” - p. 7.

E o meu realçado a vermelho não está aqui por acaso.

E não sei se o autor apenas se refere a uma constatação ou se se trata de um reparo sentido ás rudimentares análises de Abel Viana que não terá escrito uma dúzia de páginas duradouras. Baixo desdém não será.  O "pecando infelizmente pelo rudimentar da sua análise" empregue, nos dará algumas luzes nessas vertentes.

Mas o que parece não ter sido ainda notado por muita e boa gente é que Abel Viana nunca foi arqueólogo! Pelo menos dos encartados. Era Professor Primário! ( tão por baixo ele andou que não chegou a secundário...)

Mas o melhor é ler  Abel Viana para abarcar o seu próprio posicionamento!

Assim no ARQUIVO DE BEJA de 1958 na página 55 e sobre a ARQUEOLOGIA E OS ARQUEÓLOGOS deixou Abel Viana este escrito duradouro e não rudimentar!



E estas considerações finais são elucidativas. Do que a arqueologia nacional menos precisa é de teorias. Menos sábios e mais arqueologia.

E quanto a Abel Viana. "Ele limitou-se a descrever e a classificar sem jamais se permitir o luxo ou pirotecnia das interpretações pretenciosas - porque isso de teoria é o diabo!"

Esta faz-me lembrar uma, já corriqueira, sobre a guerra dos candidatos aos cometas de um fabricante de pneus.

Chefes há muitos. Cozinheiros há poucos!

Tone do Moleiro Novo

Pequena nota acrescentada em 10 de Dezembro de 2016.
Eu não poderia ter escrito este texto sem o alerta e alguma da imensa informação disponibilizada pelo meu amigo António Viana, que me cedeu também uma fotografia com seu tio Abel Viana precisamente no Castro da Cola em 1958.


segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Simplesmente Maria

A uma que eu vi na televisão e que disse:



Eu sou Maria e esta é a minha cara!





De facto!

Maria

Se em vez da cara tivesses mostrado o cú

Eu não diria

Que tinha visto a tua cara!

Diria que tinha visto um cú!

E nem  saberia

Garantir que a dona dele fosses tu

Pois a sua dona teria

Para mim virado o cú

E quem vê cús não vê caras!



tone do moleiro novo

terça-feira, 22 de novembro de 2016

RIBEIRO DO PÉGO

Não é assim que se escreve mas é assim que se lê e que se diz!


Isto porque e devido ao facto de ser interpelado na minha condição de Areosense esclarecido ( e já agora, pretensioso!) sobre este mesmo ribeiro a que nós chamamos RIO.

E já é a segunda vez que uns alunos já não sei de que escolas, além de certos entendidos de café, tendo vindo à borda das profundezas dos meus conhecimentos, me perguntam sobre o dito cujo mas identificando-o como o Ribeiro do Pêgo. Assim mesmo!

- OH Meus meninos! - Quem foi que vos disse que o Ribeiro era do Pêgo?

- Foi um Professor nosso!

Disseram até o nome do Professor. Mas isso nem sequer toma a importância do facto. 

- Pois digam a esse professor que não é Pêgo mas sim Pégo - com é aberto!

Pêgo é o marido da pêga. 

Pégo refere-se a uma queda de água coisa parecida com o salto que o ribeiro dá no sítio do Pôço Negro e que deu por isso nome ao Rio. Vem do latim pélago. Qualquer bom diccionário ensina.

Pensei melhor e aconselhei os desgraçados a não dizer nada ao professor pois poderia chumbá-los. Mas não deveriam perder de vista a asneira!

Tanto mais que nesta terrinha onde nasci  e desde que tomei conhecimento da minha circunstância, nunca ouvi dizer a nenhuma mãe, avó ou bisavó  que tinham ido lavar a roupa ao rio do macho da pêga!

Tone do Moleiro Novo

sábado, 12 de novembro de 2016

Orlando Raimundo

Orlando Raimundo

Já perdi um bom pedaço do meu precioso tempo com este assunto. 


Mas como ORLANDO RAIMUNDO vem lá citado, acabei por adquirir o livro ANTÓNIO FERRO O INVENTOR DO SALAZARISMO, da sua autoria.  Aqui vai o frontispício!





































Devo reconhecer que se trata do resultado de um trabalho de pesquisa notável!

Mas…

Na pressa de identificar António Ferro como inventor do Salazarismo, acaba Orlando Raimundo por ser ele próprio o inventor de que António Ferro inventou!

Vejamos:

Na Página 216 do exemplar que é meu (porque o paguei!) pode ler-se e em relação à FILIGRANA

“ Associada à extracção do ouro, no Norte do País, a filigrana parece ter surgido pela primeira vez na Póvoa do Lanhoso, sendo depois integrada, por acção dos folcloristas da propaganda, no traje tradicional das mulheres do Minho.”

- Terá sido???

Vejamos o que Ramalho Ortigão descreveu nas FARPAS em 1887 a seguir ao que viu na vestimenta das vendedoras numa feira em Viana em 1885
“Brincos largos de filigrana de Ouro”

Mais à frente, numa velha de sessenta ou setenta anos
“Arrecadas de filigrana”

E acerca da filigrana veja-se o que ROCHA PEIXOTO escreveu no  estudo  As filigranas,  que foi primeiramente publicado em 1908, no tomo II, fascículo 4.º, da Revista Portugália, publicada a 17 de Setembro desse ano na cidade do Porto.

Ora dizer que a integração da filigrana no traje tradicional das mulheres do Minho foi acção dos folcloristas da propaganda, ( de António Ferro,  por suposto) é obra! Tendo em conta que Ferro nasceu em 1895 não é só obra!  É desdobra!

Feérica  é  a serenata final do capitulo a pag.  217 em que  Orlando Raimundo tira o chapéu a António Ferro   
  
“… que teve a habilidade de inventar um país que nunca existiu ou pateada ruidosa aos preguiçosos que não fizeram o trabalho de casa?”

Quem é que é preguiçoso e não fez o trabalho de casa?

Vejamos!

Mais à frente e na página 279
“Forjam-se em vez disso, tradições como a ostentação de ouro nas minhotas da Senhora da Agonia…  sinais exteriores de uma riqueza inexistente.”

Ai sim???

Vejamos agora D. António da Costa,  em NO MINHO, Lisboa 1874 e ao acaso.

“O Peito das minhotas é um céu estrelado! Grilhões de todos os feitios, corações de oiro lavrado, excedendo a palmo, florões que disséramos os grandes crachás Espanhóis  de Carlos III, arrecadas que chegam aos ombros, crucifixos enormes, enormes Virgens da Conceição, peças inteiriças de calvários. Além das três grandes cruzes de Jesus e dos ladrões, o grupo das marias e a scena da tremenda tragédia.”
“A ( minhota) que apresenta nas orelhas um par de compridas e largas arrecadas obedece simplesmente ao mínimo dever; a que apresenta dois pares, cumpre-o; o luxo é penderem-lhe das orelhas três pares e ás vezes quatro!”

Ler também o que este autor diz sobre o significado do oiro e do sacrifício que até os mais humildes faziam para o obter e conservar.  A riqueza não existia. Mas coleccionavam ouro. Ou seja: - Poupavam para os tempos de crise! Além de lhes servir de adorno em tempos festivos!

( Como à parte uma observação curiosa de Cláudio de Basto e já em 1933!                    – Ver Traje à Vianeza

“Vão desaparecendo, porém, as volumosas peças de oiro, os grilhões e as placas enormes, - e vai aparecendo a jóia cada vez mais leve, mais graciosa.”  

Queixam-se agora os puristas que nas Festas de Agonia as Minhotas levam ouro a mais!

- Vá lá entendê-los!)

Voltando a D. António Costa que:
Numa lavradeira de Deucriste no mercado de Viana viu:
“Das orelhas pendiam-lhe arrecadas resplandecentes, ao redor do pescoço um grilhão de oiro em cinco voltas…”

Vejamos de novo o que Ramalho Ortigão descreveu nas FARPAS em 1887 a seguir ao que viu na vestimenta das vendedoras numa feira em Viana em 1885.
“Colares de Contas de ouro Liso”

Na tal velha de sessenta ou setenta anos
“Colar de Grandes contas de ouro pulido”

Numa jovem viúva tecedeira em Cardielos
“Arrecadas e colar de ouro”

Ainda no tal estudo «As filigranas», da autoria de Rocha Peixoto, que foi primeiramente publicado em 1908, no tomo II, fascículo 4.º, da Revista Portugália, publicada a 17 de Setembro desse ano na cidade do Porto, consta:
“Entre nós e ainda actualmente, multiplicam-se os cordões e as gargantilhas, duplicando-se os corações, acrescentando-lhes as cruzes e os cruxifixos, as Virgens da Conceição e os medalhões.” Isto no peito das minhotas!

-Querem ver as fotografias que constam neste trabalho de Rocha Peixoto?
Uma delas foi colorida e deu origem a um postal!




- Quererá isto dizer que Rocha Peixoto foi ludibriado por tudo o que viu e registou?
- E num tempo em que António Ferra andava de Fraldas???

E se querem mais testemunhos da época e não invenções, ler o que  Alberto Sampaio ( 1841 – 1908) em "A Propriedade e Cultura do Minho", na "Revista de Guimarães", vol. V, 1888, pg. 49, escreveu acercas dos minhotos (as)


( Alberto Sampaio o tal das Póvoas Marítimas).


Mas não se fica por aqui o Senhor Orlando Raimundo!

Na página 280 da sua obra consta:
“Ferro, recorre ao talento e á criatividade de Bernardo Marques para inventar o novo estilo, e é assim que surge a exuberância de cores do Rancho de Santa Marta”

Não vou decalcar tudo o que os autores citados escreveram sobre os trajes que viram. Nem tão pouco citar as cores que cada um neles identificou nas diferentes peças do vestuário observado.  Fico-me por aquilo que D. António da Costa escreveu em 1874 sobre,  precisamente, 
“ As de Santa Marta e Meadela…”
“… pôem o seu chiste principal na viveza das cores. O grande lenço chale, verdadeiro turbante, em que predomina o escarlate, é lançado com a mais fantasiosa elegância. A saia riscada a quantas cores há, um verdadeiro arco íris; grande lenço bordado nas mãos; meia alvíssimas, chinelinhas pelo meio dos pés, terminando em bico.”

E Ramalho Ortigão in Farpas 1887 acerca de uma tecedeira precisamente de Santa Marta:
“Colete Azul bordado a vermelho e a ouro. Saia azul com listras e barra encarnadas. Algibeira vermelha com lentejoulas de ouro. Grande lenço de algodão vermelho…”
E de outra da Meadela  vestida de cinzento e Azul… etc.

Isto apenas e para além de toda a restante policromia também descrita por Rocha Peixoto  e outros. Entre os quais ABEL VIANA em 1917 que quanto ao traje de Santa Marta (d)escrevia:

SAIA - A barra é preta bordada a branco, torçal quasi sempre a lantejoula e missanga.

AVENTAL - Atapetados com vários desenhos em geral rosas e coroas, predominando as cores: rosa verde, amarelo e vermelho.


LENÇO - Vermelho


CAMISA - Bordada nos ombros a azul ou vermelho.


COLETE - Comum a outros trajes. Em veludo preto no cinto havendo também em vermelho roxo e verde.


ALGIBEIRA - Comum a outros trajes bordada a fita de lá e missangas, lás de várias cores com lenço bordado com linha de algodão azul ou vermelho.


Mas face à douta informação do Sr. Orlando Raimundo 

teremos que concluir que toda essa gente era daltónica!  

Via cores que não existiam e que só apareceram com o Estado Novo via António Ferro e Benardo Marques!

Ora bolas Senhor Orlando Raimundo!

- Quem é que não fez (no que respeita)  o trabalho de casa?

Não estará, o senhor mesmo, a dar demasiados créditos a António Ferro?


E a mim o que me preocupa não é a ignorância do Sr. Raimundo ( ou pelo menos o seu desleixo)! O que me preocupa é que daqui a cem anos se vai ler o que foi publicado hoje na capital do império (este já vai na segunda edição!). Ninguém vai deitar sentido ao que o desvairado do Lopes alguma vez possa ter dito ou escrito na NET.!



Tone do Moleiro Novo

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

LUÍS PEDRO MARTINS

Não conheço o Senhor!


No entanto posso informar que foi apresentado no Jornal das 8 da TVI do dia de ontem, 4 de Outubro, como coordenador do projecto da abertura, do Paço Episcopal, aos portuenses e aos turistas. - (Deduzo eu!)


Qual não foi a minha surpresa que, na exaltação ao espaço, este senhor informou que o local tinha muita história e nele, até se tinham travado batalhas e ali mesmo "...estava colocada uma bateria anti aérea na altura do Cerco do Porto..."

















Aqui vai o frame do instante. 
Se quiserem confirmem o vídeo no link

http://www.tvi.iol.pt/programa/jornal-das-8/53c6b3903004dc006243d0cf/videos/--/j8--videos/video/57f4288e0cf2e48931e66dc4/1

Foi ás 21 horas e 5 minutos no relógio da TVI.

Até parece o saudoso Hermano Saraiva:

- Foi aqui mesmo que o nosso D. Pedro mandou instalar as anti-aéreas.... etc e tal!


Ironias à parte, D. Pedro tinha todas as razões para montar as tais anti aéreas durante o tal Cerco do Porto. O local era estratégico e o seu querido irmão Miguel dispunha de um esquadrão de Gaivotas bombardeiras escoltado por quatro secções de caças do tipo Falcão. 

Se outro Cerco do Porto haja havido deveria ser situado na história!

Tone do Moleiro Novo ( Filho da puta, o que ele vai buscar!)

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

FÁTIMA, FADO, FUTEBOL e FOGOS FLORESTAIS.

FOGOS FLORESTAIS

No tempo do Santa Comba dizia-se que Portugal era a terra dos três “Éfes” – FÁTIMA, FADO e FUTEBOL. Tão forte era a tradição que a coisa sobreviveu ao dito cujo. Com um acrescento eu. Será hoje mais pròpriamente a terra dos cinco “Éfes” FÁTIMA, FADO, FUTEBOL e FOGOS FLORESTAIS.

E a coisa é tanto mais surpreendente quanto e desde que entrámos para a CEE, ( tomemos essa data como referência) todos os anos a coisa se repete; Portugal rural ( e não só) arde! Mas não será tão surpreendente assim! O modelo do desemborbimento implantado pelos crânios infalíveis dimensionou, quantitativa e qualitativamente, Portugal para arder!

É que também todos os anos se repetem nos nossos meios de comunicação social as mais diversas considerações sobre o assunto, vindas dos mais díspares, insuspeitos e improváveis comentadores, opinadores, especialistas e outros catequistas. A grande maioria dos quais nunca terão cortado mato na vida, nem tão pouco colaborado no combate a qualquer incêndio!

Daí que espanta como é que ainda não se encontrou uma solução estrutural e estruturada para o problema. Didáctica não falta. Basta aos responsáveis coleccionar, estudar e sintetizar o que foi dito e escrito durante, pelo menos, nestes últimos trinta anos para aí encontrar todas as respostas necessárias.

Este ano acontece de novo. E também como é costume a coisa aquece nos meses de Verão. Deixem chegar o Inverno e vão ver que a coisa esquece e já ninguém mais opina até à abertura de nova época do vermelho.

De entre tantos argumentos e testemunhos vou realçar dois destes, recentes, saídos do JN, minha leitura de todos os dias e confrontar com algumas noticias sobre os incêndios no particular caso do Parque Peneda Gerês.

JN de 20 de Agosto  - ÁREAS PROTEGIDAS ARDEM MAIS “ …sobretudo a de Peneda-Gerês (que perdeu 7009 hectares de Floresta)…” – pg 10

JN de 31 de Agosto – GERÊS JÁ PERDEU 1300 HECTARES DE FLORESTA – pg 26 ( Para se entender,  esta noticia refere-se a que este Verão já ardera essa área até ao incêndio referido na noticia anterior.)

JN de 6 de Setembro – 3,4 MILHÕES PARA TRAVAR FOGOS NA PENEDA-GERÊS – pg 32 ( que confirma os tais 7000 hectares ardidos numa área total de Parque um pouco mais de 8500 Hectares)

O anúncio desta notícia fá-lo João Matos Fernandes, Ministro do Ambiente, de quem realço as seguintes afirmações
:
“Sabemos que o fenómeno dos incêndios é muito complexo. Zonas com os aceiros muito limpos e pontos de água identificados não deixaram de arder”
Esta não é novidade! Curioso é o reconhecimento de que os aceiros de pouco servem a não ser para perder terreno útil que poderia estar ocupado com espécies resistentes ao fogo!

“Temos que ter mais gente no terreno e mais equipas de sapadores florestais”
A fazer o quê? Empreitadas? – Porque não ter o terreno ocupado por indígenas que convivam e cuidem do território? Quem foi que promoveu o despovoamento do interior e o alheamento do mundo rural tanto aí como no litoral?

“Projecto inclui medidas de proximidade, de parceria na acção e de protecção do parque”
Isso quererá dizer que os habitantes da Peneda Gerês vão ser tidos e achados no assunto e passarem a ser importantes na conservação dum património dito agora valioso mas que chegou até nós graças à acção dos seus ancestrais?
Quantos desses milhões chegarão aos proprietários para que possam ter meios económicos para cuidar daquilo que lhes pertence?

Que significado terá no meio disto tudo uma outra noticia do JN de 11 de Setembro, pg 26
“Peneda-Gerês Governo estuda novo modelo de gestão para as áreas protegidas AUTARCAS VÃO PODER MANDAR NO PARQUE”
Então quem manda no parque? Um modelo de gestão que inibe os habitantes locais de tudo e mais alguma coisa mas falha rotundamente na protecção destes e seu território, do lume que consome aquilo que deveria ser a preocupação maior – A Floresta!?
Não será uma aberração completa a Gestão, nomeada, do parque se sobrepor ás competências de Autarquias eleitas? – Só agora deram por isso?

Mas a coisa não fica por aqui

No JN de 11 de Agosto aparece um artigo de opinião– CHEGA DE ENGANAR-  de Cristina Azevedo - que se identifica como Analista Financeira, onde se refere aos fogos de uma maneira mais ou menos genérica.

Mas já no JN de 8 de Setembro particulariza num outro artigo - Incêndios florestais? Uma ideia, sr. PM!

A ideia afinal são cinco!
- Constituir mosaicos de descontinuidade, impedindo ou contendo a propagação de fogos; - Boa ideia repisada de muitas outras de há trinta anos para cá desde que não insistam muito na falácia dos aceiros.

- Regenerar as áreas ardidas . Boa ideia repisada de muitas outras de há trinta anos para cá e que se alguma vez tivesse sido bem executada já teríamos o território ordenado pois arder já ardeu tudo o que havia para arder.

 - Estimular a diversificação florestal, promovendo as espécies autóctones de baixa combustibilidade; - Idem, Idem. Aspas, Aspas.

- Criar condições favoráveis à constituição de ZIF (Zonas de Intervenção Florestal);

Aqui é que a coisa começa a descambar. Santa ingenuidade

- ZIFs para quê?
Gostaria muito de mostrar à Senhora Cristina Azevedo o perímetro da ZIF de Viana do Castelo e de lhe mostrar a área ardida nesse mesmo perímetro. Que pergunte aos de Outeiro e Nogueira para que é que lhes serviu a ZIF. O fogo só não passou para a encosta Poente , não devido à ZIF mas sim à existência dos núcleos urbanos de Outeiro e Perre e do Rio das Carvalheiras.
Seria também muito elucidativo se essa sobreposição fosse estudada em todas as ZIFs que se constituíram por esse país fora.
Mostre-me a Senhora Cristina uma ZIF que tenha evitado um incêndio e eu adiro ao soviete que implantaram para os nossos lados!

Mas a melhor das ideias é esta!
- Lançar uma OPA Florestal, como no caso do Município de Pombal que decidiu estar disposto a comprar parcelas florestais que permitiriam realizar as operações anteriormente descritas. Os terrenos seriam graduados segundo certos critérios e seriam adquiridos entre 40 cêntimos/m2 e 1 Euro/m2 dependendo da pontuação obtida e depois de adquiridos seriam geridos tendo como compromisso a salvaguarda da biodiversidade, a produtividade e a vitalidade dos povoamentos.

Seriam geridos por quem?
- Pelo Estado Sra. Cristina?
Veja o que acontece nas áreas sobre a dependência do Estado! Veja o Caso da Peneda e Gerês. Mostrar-lhe –hei, se quiser, o lindo estado em que o Estado deixou o Baldio da Minha Terra! 

– Adquirir mais terrenos para quê?
- Para que lhes aconteça o que está a acontecer na Peneda Gerês?

-Não ouviu a Senhora Cristina o testemunho do Bombeiro Marco Ferreira dado em Arouca ao Jorge Gabriel no passado dia 12 no programa Nação Valente, pelas 12H20?
Vou reverter de memória.

“ O Problema é do Ordenamento Florestal. A Floresta não está estimada. Está mal estruturada. Olho hoje para o que acontece no Parque Peneda e Gerês. Já lá andei há seis anos. Tem bons acessos mas estão tapados. Fechados. E o Estado é o pior. A Floresta do Estado não tem ponta por onde se lhe pegue!”

Mas espectacular é a conclusão
“Não tenho dúvidas das mais-valias criadas por este tipo de intervenção pública”

Também eu  não!

Imaginem uma Câmara, ou o Estado, a adquirir terrenos a preços médios de 70 cêntimos por m2 dado estarem zonados como áreas florestais, e depois retirar esse ónus dos PDMs ( ficariam com a faca e o queijo para o fazer ) para negocia-los sabe-se lá para quê. Imaginem as mais valias que de facto seriam criadas por este tipo de intervenção pública!

-E se fosse um PIN?

Não daria trabalho nenhum. Nem sequer era necessário alterar o PDM

lopesdareosa

terça-feira, 6 de setembro de 2016

A FELICIDADE É UMA CONCERTINA

ESTE  TEXTO  É  DEDICADO  AO  QUEIROS  DE  PONTE DE LIMA.

 Com um abraço à descendência!






 FIGURA ÍMPAR como se tivesse saído da Serra, para lá de Serdedelo, para se passear pelas Ruas de Ponte em dias ( e noites) das Feiras Novas.

Um ano daqueles da passagem dos setenta para os oitenta ofereceu uma sardinhada, ali num quintal com um portão de ferro que dá para a alameda de S. João, a todos os tocadores de concertina que estivessem na festa. Passaram a palavra e apareceram quase todos entre eles o Vilarinho. Disse-me o Queiros que tinha aprendido ao tocar concertina pegando na do Nelson sempre que o encontrava ou nas feiras ou nas Festas.

- Tal qual como eu - lhe respondi

Hélder Pacheco escreveu uma crónica com este título, nas vistas do seu quinteiro, uma coluna saída na edição do JN em 22 de Setembro de 1992. E explicou porquê.

Tinha chegado a essa conclusão por ter ido à romaria de S. Bento de Vairão.
Cá por mim e em jeito  de quem se cuida tenho meia dúzia. E se a felicidade se mede em concertinas vejam só o felizardo do Delfim dos Arcos que tem centenas. O Pedrosa de Fontoura vai nas dúzias!
O Nelson de Covas sempre tocou na mesma. E tenho lembrança de imagens da Felicidade nos seus olhos só de a tocar!
O Roberto Santiago, francês de Orleans - um dos mais espantosos tocadores de acordeão diatónico que conheço - tem uma colecção de cento e tal.
Compreendo a razão de Hélder Pacheco. Já ouvi canções tristes tocadas no harmónio. Algumas de Yan Thirsen. Mas na generalidade o acordeão diatónico acompanha a alegria. Desde a Irlanda até à Bretanha. Desde Inglaterra até ao País Basco. Desde a Cataluna até à Rússia, desde a Itália até a Alemanha.  Desde o Brasil de Zezinho Nantes até ao Texas da família Santiago, passando pela Colômbia de Alejandro Duran e de António Rivas. E daí à Áustria de onde veio!

O Acordeão Diatónico é um instrumento de foles e palhetas assim chamado porque a sua estrutura musical consiste numa escala diatónica que por sua vez assenta numa tónica que pode ter como base qualquer  nota natural  ou qualquer meio tom. Com a particularidade de ter um "som" (a nota correspondente a cada tecla)  abrir e outro som a fechar, segundo uma sequência de notas que em simultaneidade com os movimentos alternam da tónica para a dominante e vice versa.

Por este pormenor que os distingue dos Cromáticos - de ter um "som" a abrir e outro a fechar - dizem-se bi-sonoros. Mas já ouvi (ou li) que por isso é que era diatónico! Enfim, coisas de entendidos.

Não gosto de discutir Concertinas. O que gosto mesmo é de tocar! No entanto não resisto em desmontar certas cátedras!

O primeiro acordéon Diatónico foi construído em 1829 por um construtor de Órgãos chamado Ceryl Demien Pertany, Vienense, que resolveu construir um órgão portátil e assim democratizar a música! Instrumento simples feito para que não sabia música foi desde cedo adoptado por quase toas as comunidades rurais da Europa, da América e mesmo de África.

Os primeiros a chegar a Portugal eram simples e de uma carreira só a que deram o nome de harmónio. Era ainda o Harmonico que a Tia Eufrásia e a sua vizinha Isaura do Capote tocavam.

Depois deu no que deu. Mais tarde os portugueses chamaram  - ao acordeão diatónico -  concertina! Vá-se lá saber porquê! Daí que, confundidos, certos especialistas atribuíram o seu invento a um tal inglês de nome Wheatstone que de facto inventou a concertina, dita tal, que é totalmente diferente do instrumento a que crismamos com o mesmo nome.












Não nos prolonguemos que estamos na semana das Feiras Novas  (Segundo o calendário moderno na passagem da era do Conde D'Aurora para a era da palermice).

Há muito tempo que lá falta o Queiros!

Coisa não fácil de engolir tanto mais que uma concertina é a felicidade!

Lopesdareosa

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Família Ramos Pinto


Moraram em Viana do Castelo.

Soube, há muito tempo, que se teriam fixado no RIO DE JANEIRO na Rua Murtinho Nobre, no Bairro de Santa Teresa.

Alguém sabe informar qual o paradeiro desta Gente?

lopesdareosa                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                             

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Mutilação genital feminina

Mutilação genital feminina

Campanha para combater a mutilação genital 

feminina realizada no aeroporto de Lisboa

Ver em 



Se   a mutilação genital feminina foi realizada no aeroporto de Lisboa eu acho muito bem que se faça campanha para combater tal facto!

Mas e se as mutilações forem feitas noutro qualquer aeroporto ou noutro qualquer lugar???

Não seria melhor que o Instituto Camões – Instituição da Cooperação e da língua PORTUGAL tivesse mais cuidado com a linguagem???

Ou será resultado perverso do novo AO????

Tone do Moleiro novo


terça-feira, 19 de julho de 2016

JOSÉ CID outra vez


JOSÉ CID outra vez
Tem uma longa carreira mas nos últimos anos ganhou fãs dentro de uma camada mais jovem da população, muitas vezes pessoas que nem sequer eram nascidas quando lançou os seus maiores sucessos. O que acha que levou esta camada jovem a descobrir o seu trabalho? ( Pergunta do entrevistador)

Resposta

“Sou um cantor ao vivo e as novas gerações são inteligentes e percebem que estão a ouvir um cantor ao nível de outros internacionais, só que eu estou aqui ao pé deles e podem chamar-me Tio Zé. A minha música é feita para pessoas inteligentes, não é feita para preconceituosos nem invejosos. Peço imensa desculpa, mas é o que é. A minha obra está muito à frente da sua época e as novas gerações percebem isso porque são inteligentes.” Fim de citação

 Conheço duas versões deste tema!

Uma é a daqueles reguilas que atiram ao interlocutor que quem não o grama (ao reguila) ou é corno ou paneleiro! Esta afirmação arrasadora deixa qualquer um sem fala e sem alternativa!

 A outra é a do rei vai nu!

Conta-se que um certo alfaiate real (reguila também) confeccionou uma vestimenta feita de coisíssima nenhuma, fingindo com ela vestir o Rei. Mas o certo é que ninguém, nem o Rei, conseguia ver o tecido nem tão pouco apalpar fosse o que fosse. O alfaiate reguila, ou o reguila alfaiate, instado, argumentou que o tecido de que era feita a nova vestimenta do Rei só era perceptível a pessoas inteligentes. Saiu o Rei à rua, talvez no dia em que o Rei fez anos, e toda a gente gabava a sua nova vestimenta. Pudera ninguém se queria ver apodado de burro! Até alguém, que não estava por dentro do assunto, ter proclamado:

 - O Rei vai nu!

(Pôrra! Nada disso! O gajo é que era preconceituoso!)
Tone do Moleiro Novo