segunda-feira, 29 de novembro de 2021

Governo quer que nutricionistas ajudem portugueses a comer melhor

Catarina Paço Rogrigues

JN 24 Novembro 2021 às 20:30



"O Ministério da Agricultura quer colocar nutricionistas, agrónomos e técnicos no terreno.

O Ministério da Agricultura quer colocar nutricionistas, agrónomos e técnicos no terreno para aconselharem os portugueses a comerem de forma mais saudável. A iniciativa contempla um concurso no valor de 5 milhões de euros e o objetivo é apoiar 23 iniciativas a nível regional.                                                                                                                                                                                                                                                                                   O Ministério da Agricultura anunciou esta quarta-feira que vai ser lançada em dezembro a "Rede Rural Nacional - Observatório da agricultura e dos territórios rurais", que visa colocar técnicos, nutricionistas e agrónomos em zonas rurais, com o objetivo de promoverem uma alimentação saudável e económica. Com uma dotação de 5 milhões de euros, o ministério da Agricultura pretende apoiar 23 iniciativas regionais.                                                                                                                                                                                                                                                                    O concurso está enquadrado no Plano Nacional para Alimentação Equilibrada e Sustentável apresentado esta quarta-feira pela ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, em Tavira, no Algarve                                                                                                                                                                                                                                Os objetivos do Plano Nacional para Alimentação Equilibrada e Sustentável passam por estimular a produção nacional; promover a adoção de sistemas de produção e distribuição mais sustentáveis com base em cadeias curtas de abastecimento e nos sistemas alimentares locais; valorizar os produtos portugueses de qualidade; valorizar e salvaguardar a Dieta Mediterrânica, enquanto sistema e padrão alimentar característico do território nacional, criando estímulos à sua adesão; e sensibilizar e aconselhar os consumidores e a população em geral para a adoção de uma alimentação equilibrada e informada.                                                                                                                                                                                                                      Na cerimónia de apresentação deste Plano Nacional foi assinado o contrato de parceria para Gestão e Dinamização do polo de Inovação de Tavira e Agenda de Inovação. Com isto, o Ministério pretende criar as condições para que o polo de Inovação de Tavira (CEAT) acolha um centro nacional da Dieta Mediterrânica, classificada pela Unesco como Património Cultural Imaterial da Humanidade. Com isso pretende-se fomentar uma diversificação da base económica da região e um reforço de sinergias com outras regiões e setores económicos."                                                                                                                                                                         Isto é gozar com quem trabalha!                                                                              Vou propor o tema ao RAP. Querem que o pessoal vá ao Avilez comer shchi!   

     Isto seria tarefa para os da quinta divisão se a coisa se desse no tempo do PREC. Esses como eram da tropa ensinariam a fazer RANCHO. (Mas, então,  o pessoal já sabia!)

Agora imaginem que os novos "animadores culturais"  chegam à Serra d'Arga

tone do Moleiro Novo





segunda-feira, 15 de novembro de 2021

Só Queria uma escadinha!

 António Viana deixou-nos em 17 de Julho de 2020. 

Aqui me referi a ele, em 

 https://lopesdareosa.blogspot.com/2019/03/colonialismos.html,

                        como um perigoso colonialista!

Muito recentemente, António Viana foi homenageado. Mas já dizia o Tio Manuel de Samonde que homenagens despois da morte, apenas engrandecem  quem as promove!

E a melhor homenagem, que se pode fazer, a quem morreu, é... seguir a sua palavra!

Mas ainda em vida não faltou quem o elogiasse!  Ao António Viana e na sua publicação A FALAR DE S. MAMEDE, já o nosso amigo Gonçalo Fagundes Meira  a Ele se referia:

...só temos, nós Areosenses, que lhe ficar imensamente gratos...                       

pelos seus escritos!

Acontece que António Viana, num desses seus escritos, se não apenas ditos, fazia notar que já não havia Areosenses...apenas havia moradores em Areosa e o próprio Gonçalo Fagundes Meira sabe que isso é verdade!

Mesmo assim, sem a audiência que seria de esperar, as palavras de António Viana não foram para o caixote do esquecimento, como acontece a muita boa gente.

Pelo menos uma, que eu saiba.

Em 10 de Outubro de 2001 e na A AURORA DO LIMA, apelava António Viana que SÓ QUERIA UMA ESCADINHA. Isto para que desde o Lamoso e descendo para o Campo da Areia o desnível vencido por uma vereda lamacenta fosse melhorado com uma escadinha. Isto porque de cima para baixo e de baixo para cima muita gente, com sol e com chuva por lá passava.

Mais! Já em 2001 tivera uma ideia brilhante! Um dia em que o Prédio do Coutinho viesse abaixo poderiam aproveitar uma escadinha para instalar em tal acesso.

E, milagre dos milagres ( ou talvez não)!

Não é que quase ao mesmo tempo da demolição do Prédio do Coutinho, lá estão, as escadinhas. 



Só falta inaugurar. 

Aquando disso, tirem uma fotografia para a propaganda, mas lembrem-se do António Viana!

lopesdareosa








domingo, 14 de novembro de 2021

Dente de Leão ou Dente de cão

 Dizem os nossos conterrâneos Galegos, da margem direita, quando lhes perguntam como vão...

- Menos mal que ainda temos Portugal!!!

Acontece que deste lado poderíamos replicar com:

- Se não sabemos de meia missa...saibamo-la na Galiza!

Isto porque no PÚBLICO de hoje apareceu a seguinte "reportagem": 













Por José Miguel Sardo.

Ou seja, na Galiza, umas tais Galegas, Sabela Eglésias e Adriana Villanueva, dedicaram-se a investigar esse tal de "cravagem", grão de corvo" ou "cornelho" que afinal mais não era que o latino "Claviceps Purpurea", 

( está tudo em https://pt.wikipedia.org/wiki/Espor%C3%A3o-do-centeio)

....que em Areosa, Carreço e Afife era conhecido por "DENTE DE LEÃO" ou "DENTE DE CÃO"

E, no após guerra, todos os lavradores sabiam da existência dessa caganita preta maligna que aparecia no meio dos bagos de centeio. Daí que antes de levar o centeio para o moinho, tinham a preocupação de separar esses grãos dado a farinha daí obtida causava doenças nas crianças.

Até que apareceram uns gajos a pagarem exorbitâncias a quem recolhesse um quilo dessas coisas esquisitas. Ou seja se o centeio valia dez tostões o quilo. Um quilo daquelas coisa valeria um conto de réis.

Sabe-se agora o porquê dessa procura. Destinava-se aos fármacos!

E se nós, portugueses, não tivessemos destruído a nossa ruralidade e sua memória, não seria necessário a José Miguel Sardo ouvir a história dos Galegos.

Viesse a Afife que a ouviria nas tertúlias do  Café da Curuja!

- E qual é o Café da Curuja???

- É este!




















Eu também só fui lá ter graças a esta fotografia da Sandra das Argas!!!

lopesdareosa

sexta-feira, 15 de outubro de 2021

Morreu Paddy Moloney

 Morreu Paddy  Moloney

Irlandês, o mais universal dos tocadores de Uilleann pipes, aquele instrumento diabólico em que os membros superiores executam quatro movimentos em simultâneo.

Aqui vão dois momentos para a história dos CHIFTAINS.

Um, em Vigo, com o Carlos Nuñez numa versão fabulosa da Alvorado do Veiga mais a Muiñera de Chantada.



Depois com o mesmo Carlos Nuñez nas danças irlandesas




Aqui em baixo com Kepa Junkera numa Arin Arina fabulosa a partir do minuto 16 ou mesmo antes.



E para quem quiser ir mais além que ouça Bilbao 00H00 de Kepa Junkera.

Que ouça Santiago dos Chiftains.

Que ouça Irmandade das estrelas de Carlos Nuñez.

Também lá está a nossa Dulce Pontes

Lopesdareosa








sábado, 9 de outubro de 2021

A ideia que a classe dirigente tem do mundo que a rodeia.

 Já me referi a este assunto em:

https://lopesdareosa.blogspot.com/2011/06/ministerio-da-agricultura-ambiente-mar.html

E também em:

https://lopesdareosa.blogspot.com/2015/11/acabar-com-ruralidade-por-decreto.html

Há uns dias publiquei:

https://lopesdareosa.blogspot.com/2021/09/no-rescaldo-do-caldo.html


&%&%&%&%&%&%&%&%&/&/&/&/&/&/&/&/&/&/&/&/&/&

E volto hoje ao assunto pois que encontrei no arquivo uma notícia do ano 2014 e que aqui vai:

Câmara Municipal organiza Ano Internacional da Agricultura Familiar

18 Março 2014

A Câmara Municipal de Viana do Castelo vai comemorar o Ano Internacional da Agricultura Familiar com um vasto conjunto de iniciativas durante todo o ano. O lançamento/inauguração está agendado para o próximo sábado com diversas iniciativas no Mercado Municipal de Viana do Castelo.

Assim, no próximo sábado, pelas 10h00, está previsto o Feirão "Sabores da Nossa Terra" com a participação dos produtores agrícolas do concelho e que marca a inauguração oficial do Ano Internacional da Agricultura Familiar. Pelas 10h30 e pelas 15h00, decorre a " Hora do Conto" com o “Alimentação Saudável” de Daniela Silva, desta vez a decorrer no primeiro andar do Mercado Municipal e não na Biblioteca como normalmente. De destaque ainda para o showcooking “Sabores da Nossa Terra” com o chef Mário Rodrigues e a equipa “Mãos na Massa” pelas 11h30, no Mercado Municipal.

Ainda no Mercado, decorre uma Sessão de Esclarecimento "O enquadramento e a obrigação contributiva dos produtos agrícolas" por João Vieira e Carolina Silva (Segurança Social) e "IVA e IRS - esclarecimento no âmbito da atividade agrícola" José Cadilha (Direção de Finanças). Às 18h00, decorre uma degustação e exposição dos “Sabores da Nossa Terra”.

Exposições, “Conversas de Fim de Tarde”, oficinas de aprendizagem, projetos pedagógicos, concursos, feirões e mostras pedagógicas fazem parte da programação anual destas Comemorações, organizadas pelo Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental.

Recorde-se que a Assembleia das Nações Unidas proclamou 2014 Ano Internacional da Agricultura Familiar. A agricultura familiar é uma forma de garantir a produção agrícola e silvícola, assim como a pesca, o pastoreio e a agricultura, gerida e dirigida por uma família que na sua maior parte depende da mão-de-obra familiar não assalariada, tanto de mulheres como de homens. A família e a exploração estão vinculadas, coevoluem e combinam funções económicas, ambientais, reprodutivas, sociais e culturais.

Gabinete de Imprensa
Câmara Municipal de Viana do Castelo

De facto a coisa aconteceu mesmo e eu, na altura, nem dei por ela!                                            Mas houve notícia do acontecimento.




















Tratou-se então de celebrar o tal ano internacional da agricultura familiar, convocando os agricultores de Viana do Castelo para ficarem a saber em que é que consistia essa coisa da AGRICULTURA FAMILIAR. 

Logo à partida a ARAAM 

- Associação dos Agricultores do Alto Minho se propunha:

"...apoiar e organizar os agricultores a fazerem face e a combater as novas regras fiscais...exigências que prejudicam a pequena agricultura e a economia rural."

- De facto sabem que foi lá explicar o que era a tal Agricultura Familiar???

- E o que era necessário pra que a Familia se dedicasse à lavoura???

- Um engenheiro agrário?  - Não!

- Um hortelão??? - Não

- Um técnico de instalação de estufas em áreas de alto valor paisagístico???                                                  Também não!

- Um lavrador??? - Não!

- Um projectista de matadouros em espaços non edificandi??? - Não!

- Um engenheiro Florestal?  - Não!

- Um especialista em transformar um lote de terreno agricola, numa entulheira?? -             Também não!

Quem lá foi explicar essa coisa da Agricultura Familiar, foram....

Os técnicos da Autoridade Tributária e da Segurança Social!!!

E a consequência dessa sessão de esclarecimento foi o entupimento dos serviços nas Finanças e na Segurança Social com as longas bichas de  pessoal a inscrever-se.

À frente das quais se encontrava o nosso atacante dos mouros que decerto tem todas as suas obrigações fiscais em dia para se dedicar à horticultura alí para os lados de Figueiredo!

E como a este evento também assistiu o então Presidente da Câmara, José Maria Costa, que está de saideira, é natural que na senda do seu antecessor se vá dedicar à lavoura e para tal vá a correr ás Finanças para se legalizar!

Sim porque agora para ser agricultor é necessário estar legalizado pois existe a agricultura ilegal. 

Veja-se agora uma outra notícia.

















E eu que julgava que tratar de um quintal, cultivar uma leira, criar galinhas, engordar um porco, cuidar de uma sorte, semear batatas, semear couves...fosse uma obrigação, familiar e geracional, chego à conclusão que agora é preciso...

...LICENÇA!

Que se cuidem os ex presidentes de câmara e todos aqueles que ainda vão semear batatas na próxima primavera. Tenham o cuidado de se acautelarem com a polícia. Se forem apanhados a prantar couves e não estiverem inscritos nas Finanças... vão presos!

Mas para quem julgue que essa coisa de acabar com a ruralidade por decreto é delírio do Tone do Moleiro Novo vou dar-lhes a prova da própria evidência.

Agricultores ficam sem apoios após união de Freguesias!

Ou seja, os rurais de Santiago de Bougado ao lado da Trofa, deixaram de o ser - rurais - só e apenas porque aquela aberração da Lei do Relvas uniu o Santiago a São Martinho de Bougado onde se situa o centro urbano da Trofa.

E vai daí corta-se os apoios aos de Santiago dado que do dia para a noite os rurais passaram a ser urbanos!


Resta saber se a tal Lei das uniões de freguesias alterou a fisionomia rural de Santiago!

- Mas querem mais???

- Lembram-se daquela propagando do Estado Novo, à casinha portuguesa concerteza com aquela família alegre e feliz e aquele espaço limpimho e cheiroso daquele quadro tão desdenhado pela nossa intelectualidade prugressista???

AQUI VAI:


A mãe tinha o caldo pronto. O Pai regressava do trabalho e os filhos exultavam com o regresso do patriarca a casa -     arrumadinha, limpa e pavimentada.

Aqui pergunto-me se não era então o desígnio de todas as familias em portugal. 

Ainda me lembro do meu pai e meu avô
cimentarem o chão da cozinha, que era térreo ainda nos inícios dos anos cinquenta!

COMPAREM AGORA com a propaganda desse tal encontro de esclarecimento da Agricultura Familiar.


Linda esta agricultura familiar.
 
Ele são bacas. Ele são galinhas. Ele são porcos.                       Ele são coelhos!

Ele de albaiolos e a miúda também.  

O rapaz segura um cesto de qualquer coisa.... - devem ser espinafres!

A matriarca empunha, decidida e alegre, uma forquilha.

A pá do familiar agricultor é uma pá de gente, basta-lhe a dimensão do cabo!

E aquele apelo encoberto ao trabalho infantil, da miúda segurando uma espécie de gramanha, terá feito com que os negacionistas ficassem à beira de um ataque de nervos.

Se o Salazar visse este cartaz, converter-se-ia ao prugresso.

Pois é esta precisamente a imagem que, desde tão louvável iniciativa,  se pode observar em todo o Alto Minho.

 Só Areosa, Carreço e Afife é que ficaram para trás. 

Mas agora com o PIERARCA é que vai ser!

( Estou a citar. E não me puxem pela língua!)

tone do moleiro novo

domingo, 3 de outubro de 2021

Tesouros deprimentes

 Guardo alguns!

E tropeço neles...de vez em quando!

E fico a pensar como se transformam em gurus uns pândegos que a realidade vem demonstar que não têm a mínima noção do mundo que os rodeia.

Um dos mais universais foi um parrandeiro nipo-americano, Francis Fukuyama, que resolveu fazer de todos nós parvos e escreveu uma parvoice chamada  " O FIM DA HISTÓRIA e O ÚLTIMO HOMEM". invocando Hegel, Nietzsche Kant e até Platão!!!

Teve um sucesso mundial e os liberais exultaram!

Mais tarde queixou-se de que tinha sido mal interpretado mas ficou rico com a publicação.

A este personagem já mereferi em

https://lopesdareosa.blogspot.com/2015/07/o-fim-da-historia.html

e

https://lopesdareosa.blogspot.com/2019/11/o-fim-do-neoliberalismo-e-o.html


Mas recentemente encontrei uma situação parecida mas em versão portuguesa!

Um tal Pedro Arroja preconizava em 1998 que 

" Não haverá moeda única" (textual)


Isto mal acomparado com o tal foge da cama

Mas sabem como é essa coisa do valor de câmbio dos valores fiduciários

Um dólar -----------------------duzentos escudos.


tone do moleiro novo

quinta-feira, 30 de setembro de 2021

No rescaldo do caldo

 No rescaldo do caldo


Num é no rescaldo do incêndio em Rio Caldo. 

Nem o caldo é daquele de farinha, toucinho e sanguinha. 

Nem de cebola chega a ser.

E enchouriçados andamos nós com tanto empreendorismo!

O Concelho de Viana é essencialmente, predominantemente, maioritáriamente, prevalentemente, eminentemente ...Rural.

Mas Viana só se lembra do seu envolvimento rural por alturas das Festas d'Agonia!

Aí toca a reunir as lavradeiras ( que não o são!) das aldeias, que inundam a vila com os seus Trajes a que chamam à Vianesa. 

( A minha mãe dizia que tinha um Fato à Lavradeira). 

Por essas alturas toda a intelligentsia urbana se ufana com o brilho ( dos ouros)  e o colorido (das fardas), reminiscências de um tempo que já passou e não mais volta a ser.

No entanto o que interessa é o faz de conta.

Depois é a maior romaria de Portugal!

- Querem ver muita gente? - Vão a Braga ao São João da Ponte. 

 Ou à Senhora dos Remédios em Lamego.

- Gostam muito dos cem bombos que se reúnem ao meio dia na Praça da Rainha?

Vão à Guarda, em frente a Caminha do outro lado do rio. 

São cerca de cinco mil... nas Festas do Monte.

- Querem ir a uma romaria? - Vão a São joão d'Arga ou à Senhora da Peneda!

Ou à Senhora do Almortão nas Idanhas!

Mas que raio de importância tem esse tal mundo do qual apenas resta o mise en scene.

Pelos ventos dos programas eleitorais, pouca ou nenhuma. 

Ao reler a edição de 16 de Setembro da A AURORA DO LIMA dei-me ao trabalho de contabilizar quantas vezes certas palavras eram utilizadas pelos oito candidatos nas suas perspectivas.

Cada um utilizou cerca de 700 palavras em média!

LAVOURA  nunca a encontrei.

AGRICULTURA uma vez e mesmo assim num contexto genérico do género  

" ...vamos desenvolver as actividades primárias...".

FLORESTA uma vez, na forma "reflorestar"

Vá lá que não encontrei aquela coisa da "Resiliência".

Nem encontrei aquela coisa do desemborbimento "Sustentável"

Nem as tais "sinergias" que os líderes costumam querer juntar.

Enfim, uma terra rural governada por mentalidades urbanas.                                          Como Portugal, aliás!

Eu bem me apego a Santa Maria de Vinha de Areosa. 

Mas nem Santa Leocádia de Geraz do Lima me vale.


Quem me compreende é mesmo Nossa Senhora d'Agonia!

- É tudo uma tristeza!

( Já o Pirilau dizia o mesmo!)

Nota. 

A imagem foi apanhada em https://d.facebook.com/santododia/photos